Marcadores principais

Resenha: A Menina Que Semeava, de Lou Aronica

11.12.13


Título: A Menina Que Semeava.
Autor: Lou Aronica.
Editora: Novo Conceito.
Número de Páginas: 414.
Sinopse: Chris Astor é um homem de seus quarenta e poucos anos que está passando pelo mais difícil trecho de sua vida. Ele tem uma filha, Becky, de 14 anos, que já passou imensas dificuldades até chegar a se tornar uma moça vibrante e alegre, mas que parece que terá que enfrentar mais um grande problema em sua vida. Quando Becky era pequena e teve câncer, Chris e ela inventaram um conto de fadas, uma fantasia infantil que adquiriu vida e tornou-se um terrível, provavelmente fatal, problema. Agora, Chris, Becky e Miea (a jovem rainha da fantasia criada por pai e filha) terão que desvendar um segredo: o segredo de por que seus mundos de fantasia e realidade se juntaram neste momento. O segredo para o propósito disso tudo. O segredo para o futuro. É um segredo que, se descoberto, irá redefinir a mente de todos eles. A menina que semeava é um romance de esforço e esperança, invenção e redescoberta. Ele pode muito bem levá-lo a algum lugar que você nunca imaginou que existisse. Uma fantasia que trabalha assuntos densos como a separação dos pais, oncologia infantil, separação de filha e pai, adolescência. A menina que semeava não é um livro sobre adolescentes comuns. É sobre uma que se deparou prematuramente com a ameaça do fim e teve de tentar aprender a lidar com ele.
Livro no: Orelha de Livro - Skoob.



A Menina que Semeava conta a história de Becky, uma adolescente de 14 anos, que teve câncer aos 6. Na época em que estava com câncer, seu pai, Chris, com o objetivo de animá-la, teve a ideia de eles dois criarem um universo imaginário. E foi assim que o mundo azul de Tamarisk surgiu. Todos os dias, eles criavam mais personagens e histórias para aquele mundo, até que acabou ficando bem complexo. Porém, depois que Becky entra em remissão, sua mãe, Polly, pede divórcio de Chris. Os dois se separaram, e desde então, a relação de Becky com o pai não foi das melhores. Desde o dia em que o pai foi embora de casa, Becky decidiu esquecer Tamarisk. Nunca mais pensou naquele mundo imaginário que tanto amava, até que, anos mais tarde, os sintomas do câncer começam a voltar e Becky descobre que Tamarisk é real e está correndo perigo por conta de uma grave praga. Então ela e seu pai tentam, junto com a rainha de Tamarisk, Miea, e toda a população de Tamarisk, encontrar a salvação para aquele mundo.
"Era um reino de fantasia, sonhado por uma garota com uma quantidade ilimitada de esperança."
- Página 385.
Esse livro é incrível. A forma como Lou Aronica conseguiu mesclar fantasia e drama é sensacional! O livro é narrado de uma maneira um pouco diferente da que eu estou acostumada a ler: em terceira pessoa, narrando em alguns capítulos a perspectiva de Becky, em outros a de Chris, alguns de Miea... Confesso que fiquei meio perdida no começo, mas logo entrei no ritmo. 
A capa do livro é linda, a diagramação é ótima. Tem páginas amareladas e a fonte é em um tamanho agradável. A Novo Conceito fez um ótimo trabalho. Só uma coisa me incomodou: a quantidade de erros de digitação. Nada muito grave, mas chato assim mesmo.
"A imaginação cria coisas infinitas." 
- Página 95.
Eu não cheguei a chorar durante a leitura, mas me emocionei bastante. A mensagem de superação e esperança que o livro passa é linda. Lou Aronica escreve muito bem. O final é surpreendentemente incrível, nada previsível, eu adorei. A Menina Que Semeava é um livro especial, feliz e triste ao mesmo tempo, daquelas histórias que te fazem refletir. Super recomendo a leitura desse sick-lit, vale muito à pena!


Classificação:  (4 estrelas).
E você, já leu A Menina Que Semeava?
Beijos e até a próxima postagem!

5 comentários:

  1. Sempre vejo resenhas muito positivas sobre esse livro - uma delas, inclusive, me deu a vontade total para ler, a garota até chegou a chorar e se emocionar demais com ele - e, há algum tempo, ganhei-o em uma promoção. Estou esperando chegar, e logo começarei a ler, parece ser mesmo ótimo! Apesar de sick-lit não ser um dos meus gêneros preferidos, realmente, mas eu passei a dar mais chance ao gênero depois que li ACÉDE e me apaixonei por ele. Histórias envolvendo doenças, com final triste ou feliz, de qualquer forma, são ótimas para nos fazer parar para refletir um pouco, ganharmos um conceito diferente da vida e, até mesmo, adquirir mais esperança para lutar. São, no geral, muito inspiradoras! <3
    Beijos...

    ResponderExcluir
  2. Já ouvi falar desse livro, mas nunca o li. Eu pensava que era uma história mais puxada para A Culpa é das Estrelas, e não que fosse assim. Essa coisa de fantasia e drama juntas parecem ser boas.
    Talvez eu leia o livro, depois de acabar com todos de minha lista. O que será difícil ç_ç
    Kiss ~

    ResponderExcluir
  3. Quanto tempo, né, Taís? Lembra de mim? :3 Já ouvi falar nesse livro um milhão de vezes, e tb vi várias resenhas, mas nunca uma tão bem explicada como a sua. Amei o novo layout do blog, seguindo ~ beijos <3

    http://oculos-de-coracao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Eu acho essa capa tipo: muito linda. Já havia visto ele e tal, mas não sabia que era meio que um conto de fantasia, na verdade eu pensava em algo bem diferente.

    Beijo, Acridoce

    ResponderExcluir
  5. Pra quem se empolgar com a sinopse, vale a pena mesmo!

    http://portugues.free-ebooks.net/ebook/A-Menina-Que-Semeava

    boas leituras!

    ResponderExcluir