Marcadores principais

Somos Quem Podemos Ser #3

30.3.14

Capítulo 3:
O efeito colateral de um grande amor


Era domingo á tarde, e Melina havia acabado de ler O Teorema Katherine. Uma de suas citações favoritas, que ela fez questão de destacar com marca texto no livro, é a seguinte: “É possível amar muito alguém, mas o tamanho do seu amor por uma pessoa nunca vai ser páreo para o tamanho da saudade que você vai sentir dela.” Ela nunca havia perdido alguém que amava, mas tinha ideia de como deveria machucar. Doer. De como a saudade estaria sempre presente.

Melina guardou o livro na estante do seu quarto e foi para a varanda pegar um ar puro. Tinha passado tempo demais em seu quarto. Lá encontrou seus pais e bisavô, Senhor Vinícius, sentados. Estavam todos em silêncio, e seu bisavô estava com um álbum de fotografias nas mãos.

- Oi? – Disse Melina, olhando para o bisavô.
- Olá, Lina. – Respondeu.
- Tem fotos de quem aí dentro? – Perguntou, se referindo ao álbum.

Senhor Vinícius nada respondeu. Apenas exibiu um sorriso triste. Olhos distantes. Amélia respondeu por ele.

- É o álbum de 50 anos de casados dele e sua bisavó, Melina.

Após Amélia dizer isso, Senhor Vinícius pareceu acordar. O nome Melina lhe despertou. Não por ser o nome da bisneta, mas sim porque ela carregava o mesmo nome de sua falecida mulher. Melina. Amélia e Daniel deram esse nome à filha em homenagem a Melina, que fora uma grande e amável mulher. Infelizmente, morreu quando a filha de Amélia tinha apenas três anos. Câncer. Ela mal se lembrava da bisavó.

- Essa noite eu sonhei com ela. Quer dizer, eu sempre sonho com ela, ou pelo menos quase sempre, mas dessa vez pareceu mais real. Sonhei com a nossa festa de 50 anos de casados. Realmente era real. Parecia que eu estava lá, que ela ainda estava aqui... Eu acordei sorrindo. – Disse Senhor Vinícius, e ao terminar de falar, seus olhos estavam marejados.

Lina não disse nada. Nem seus pais. O bisavô morava na casa ao lado, embora passasse a maior parte do tempo na casa de Lina. Ele não gostava de ficar sozinho. Mas quem gosta, afinal de contas? Na maior parte do tempo, Senhor Vinícius era uma pessoa comunicativa e sorria. Ele sabia que era assim que sua doce esposa gostaria que se comportasse quando ela partisse.

Mas, como toda pessoa, ele também tinha recaídas.
Essa era apenas uma delas.

Os pais de Melina estavam tentando pensar em algo para dizer que fosse capaz de ajudar. Nada era. Senhor Vinícius estava na presença de três pessoas que o amavam. Mas tem horas que a gente só quer ficar mesmo é na presença de quem mais amamos. Mesmo que seja impossível.

Lina pensou, pensou e pensou. Conseguiu chegar a uma conclusão. Realmente, o amor que você sente por alguém nunca será páreo para o tamanho da saudade que você vai sentir dessa pessoa, quando ela se for. Porém, sentir saudades é a prova mais evidente de que valeu a pena. Saudade é o efeito colateral de um grande amor.

Mas ela não disse nada disso. Também não servia de consolo. 
Nada serve quando quem você ama vai embora.
Para ler o capítulo anterior, clique aqui.

10 comentários:

  1. Ain véi, adorei!

    Adorei ainda mais essa frase: "Saudade é o efeito colateral de um grande amor."

    Vou até anotar no meu caderninho <33

    Hahaha, Beijos

    ResponderExcluir
  2. Triste saber que a Melina já havia falecido, com tão pouco tempo de vida da bisneta. Seria tão incrível acompanhar mais um pouco da sua simpatia e conselhos gentis que ela tanto deu à Amélia e ao Daniel em "A Arte do Destino". Mas, em compensação, a homenagem com o nome da protagonista foi muito especial <3 A citação do livro do John Green é muito verdadeira, e foi ainda mais sincera nesse capítulo. Força para o Senhor Vinícius nesses momentos de lembranças :'( Mas feliz por saber que ele não se permitiu abalar totalmente, pois reconhece que Melina não iria querer vê-lo ficar tão deprimido.
    Como sempre, Taís, sua escrita está evoluindo demais! E "sentir saudades é a prova mais evidente de que valeu a pena" foi simplesmente a minha citação preferida desse capítulo! <3 <3 <3 Muito amor!
    Beijos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou sentir falta de escrever falas da vovó Melina :'( *enxuga a lágrima*. Essa citação do John Green foi amor a primeira lida!
      Muito, muito obrigada Sâmmy! Nem sabe o quanto seus comentários me motivam... <3
      Beijos. =)

      Excluir
  3. Meeeeeeeu Deus! Esse com certeza vai ficar na lista de textos mais lindos que eu já li. (sei q não é exatamente um texto mas...) Foi tudo tão lindo, eu imaginei cada momento. E a forma que você explicou a saudade e o amor, simplesmente perfeito. Parabéns :)
    Fui atraída pelo titulo, lembrei de uma musica dos Engenheiros do Hawaii >-< haha'

    uma-quase-perfeita.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muuuuito obrigada, Juh! =) ♥
      "Nós, Somos quem podemos ser, Sonhos que podemos ter..." ♫ Adivinha da onde eu roubei o nome para a web novela? Hehe' >.<

      Excluir
  4. Taís, que texto lindo! Eu adoro a forma como você se expressa e como eu me identifico com as suas palavras! <3 Tem post novo lá no Blog, já viu? Passa lá e comenta o que achou! Beijos <3 http://gostosdeadolescentes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Taísinhaaaa!! HAHA' ERA para a minha pessoa estar estudando (6 provas essa semana, fora trabalhos), mas lembrei do teu blog e precisei passar por aqui HSUAHSUA'
    Amiga, teu blog tá um arraso!!! Não tenho tempo para ler desde onde parei, mas quando tiver tempo, já sei do compromisso!! HAHA'
    Bem, só vim para dar os parabéns ao blog, que está um arraso, como falei e dar um oi o.o kk' :3
    Vou indo pois ninguém estuda por mim... EHAUHEUAH' Beijocas <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rachelzitaaaaa!!! Como assim 6 provas???? Os professores tão te escravizando, é isso??? ASHUASAS'
      Muito, muito obrigada, sua linda! Sinto sua falta no TAVA :'(
      Bons estudos! ;) Beijocaaas ♥

      Excluir