Marcadores principais

Quem, agora, te faz bem

30.7.14


Veronica Shoffstall escreveu, certa vez, que “não temos que mudar de amigos se compreendermos que os amigos mudam”. No sentido poético da coisa, essa frase é fascinante e verdadeira. Porque verdadeiras amizades, teoricamente, são inabaláveis, indestrutíveis. Não importa o quanto as coisas mudem. Tudo pode estar diferente em você e em seu amigo desde o dia em que vocês se conheceram, mas vocês são completamente capazes de continuarem sendo amigos como antes, da mesma forma. Afinal, amizades verdadeiras nunca têm fim - só que não.
Pare, pense. Reflita. Porque você mantém amizade com fulano? Hein? Por que ele era legal quando vocês se conheceram? Se a resposta for essa, lamento te informar, mas tem alguma coisa errada aí. Porque esse é o motivo mais idiota que existe para manter uma relação com alguém. Porque essa pessoa já foi legal um dia. Mas ela mudou, e você também. E enquanto você tenta salvar uma já claramente rompida relação de amizade, você perde tempo. Perde preciosos momentos em que poderia estar interagindo com novas pessoas. Pessoas legais agora. Pessoas que sejam bons amigos agora. Só o agora importa.
Não esqueça o passado, apenas deixe de se importar tanto com ele. Lembre sempre de que o futuro é resultado das atitudes que você toma no presente. No agora. Procure não pensar muito no futuro também. Apenas viva ao lado de quem, agora, te faz bem.
Pode ser que, em uma data muito próxima do calendário, seus amigos de agora não sejam mais seus amigos. Ou pode ser que eles tenham mudanças semelhantes as suas, permanecendo companhias agradáveis por muito tempo. Pela vida inteira, talvez. Não dá para saber. Você precisa arriscar. Esquecer esse receio de deixar para trás quem não se esforça nenhum pouco para merecer um lugarzinho em sua vida. Mas não odeie essas pessoas, não. Nem se esqueça dos momentos em que elas te fizeram bem. Apenas tenha em mente que existem pessoas capazes de te fazer bem agora. São elas que realmente importam.

 Um beijo, Taís K.

4 comentários:

  1. Lindo texto ♥ concordo quase 100% hehe, porque às vezes é difícil deixar alguém que te fez feliz por tanto tempo ir embora... embora isso não seja sempre exatamente necessário... mas enfim, acredito que todos somos capazes de tomar as decisões que nos fazem o melhor e não apenas as que parecem nos fazer bem. Bjus
    esqueceatristeza.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada ♥ Sim, é difícil deixar as pessoas que nos fizeram felizes irem embora. E nem sempre é necessário. Não sei se deixei isso muito claro no texto, mas, eu quis dizer que devemos deixar as pessoas irem embora só quando necessário, só quando não fizer mais sentido tê-las por perto.
      Acredito nisso também =D
      Beijos!

      Excluir
  2. Muito legal o texto, Taís! Ando pensando bastante nisso nos últimos tempos. Amizades mantidas por comodismo não rolam, não mesmo! Pensar "Sou amigo dele porque... ah... Faz tanto tempo! Éramos melhores amigos! E, hm... mesmo que não se importe agora, éramos....". Não rola. As lembranças ficam, mas não podemos viver o agora pensando no passado, senão ele passa, e quando olhamos para trás, vemos que o desperdiçamos. Arriscar é bom. Viver no comodismo não.
    Bye

    palavrasincessantes.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Bia! Verdade, não rola meeesmo! Viver no comodismo é quase o mesmo que não viver. Não vale a pena.
      Bye!

      Excluir