Marcadores principais

Perspectiva

23.3.15


Você pode achar que a sua casa é muito grande, que a sua cidade é muito grande. Mas, se você olhar pra elas quando estiver no topo de um morro alto, vai tudo parecer pequeno. E, se você subir um pouco mais, dentro de um avião, por exemplo, e olhar para esse mesmo morro, ele também será minúsculo. Calma. Eu sei que tá tudo obvio demais até agora. Mas, por mais obvio que seja o fato de que a perspectiva muda tudo, tem gente que se esquece. Quase todo mundo.
Nós somos pequenos. Absurdamente pequenos. E o mundo é grande. O universo é infinito. Mas nós, pequenos. O que é maravilhoso. Calma, eu ainda não pirei. Ainda não. Ainda. Há algumas semanas atrás, parada ao lado de uma grande cachoeira, em frente as altas ondas do mar, eu entendi que o mundo e suas belezas são maravilhosamente grandes, enquanto nós nos preocupamos com problemas e medos pequenos. Tão minúsculos quanto grãos de areia. Nós somos tão mais valiosos do que isso! Do que nossos medos, anseios, receios.
Pra que ter medo do passado se, ao olhar para trás, tudo parece tão pequeno? Pra quê medo do futuro? Não podemos adiantar as coisas. Você já sabe disso. Eu já sei disso. Mas não custa repetir. Nós somos como cachoeiras, seguindo um curso lento e constante. Mas, as vezes, tempestades ocorrem e deixam nossas águas mais rápidas, furiosas, nos obrigando a sair da inércia. E também podemos passar por secas, eventualmente. Sim, no geral, somos como cachoeiras. E o tempo sempre é. Lento e constante.
É clichê, mas vale lembrar que: a coragem não é a ausência do medo, coragem é quando ignoramos o medo e lutamos assim mesmo. Seguimos em frente. Mesmo que a vontade de lutar te falte, lembre-se: você é pequeno. Logo, seus problemas também são. Se você for pessimista, agora, deve estar pensando que, mesmo que nossos problemas e medos sejam pequenos, nós também somos, logo, temos o mesmo tamanho. Sim, você pode enxergar por esse lado da coisa e ser um eterno covarde, ou você pode subir no topo de um morro alto e observar tudo - inclusive suas inseguranças - com uma nova perspectiva, percebendo, então, que você pode até não ser grande por fora, mas pode ser gigantesco e invencível por dentro, se acreditar de verdade nisso.
O mundo é grande. Grande e belíssimo. E todo seu.

Beijos, Taís K.

6 comentários:

  1. Olá Taís
    Você escreve muito bem! Adorei o texto e o blog *-*
    Beijo

    Primaveraagridoce.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Adorei tua perspectiva... sábias palavras! Beijo :*

    ResponderExcluir
  3. Caraca, belíssimo foi seu texto, mas o mundo também é <3 rs

    Uma longa queda em reflexão tu teve, fui agraciado com suas palavras, muito bem colocadas e devo dizer que este trecho "Mas, as vezes, tempestades ocorrem e deixam nossas águas mais rápidas, furiosas, nos obrigando a sair da inércia" me encantou demais *.*

    Muito bom.
    xoxo

    ResponderExcluir
  4. Amei o post! Ainda mais agora que entrei numa fase de "para de ser tão negativa, sua quenga", rs. O meu método é ignorar o que me faz mal, e assim, o mal que surge dessas coisas fica cada vez menor.
    Bom, eu te linkei em uma tag lá no blog chamada I Love my Blog, gostaria de participar?
    http://antigosdiarios.blogspot.com.br/2015/03/tag-i-love-my-blog.html
    Espero que curta a ideia, beijo *-*

    ResponderExcluir
  5. Seus textos sempre me abraçam tão forte. Abraço de urso mesmo. ♥

    ResponderExcluir
  6. "Nós somos como cachoeiras, seguindo um curso lento e constante." Uma das metáforas mais legais que já li este ano, sério! Haha'.
    Nos últimos textos que li (seus), fica a transparecer que a cada vez que refletimos um pouco mais sobre onde andamos, o que nos rodeia e como agimos a cada (grande) passo, descobrimos que somos fortes o bastante para obter o que quisermos. Até porque um pinguinho de esperança não faz mal a ninguém, shaush'.
    Enfim! Adorei este texto. Me fez refletir -interiormente- um pouquinho, :)
    Beijocas!! ^^

    ResponderExcluir